FERREIRA DO ALENTEJO,
A ARTE DE BEM RECEBER

A terra da uva sem grainha, degustações de vinho de manhã à noite e uma vila que tem a sua própria “padeira de Aljubarrota”

PUBLICADO A 29 DE ABRIL DE 2024 | VIAGEM DE 12 A 14 DE ABRIL DE 2024

A época de viagens em 2024 começou com um fim-de-semana muito especial em Ferreira do Alentejo. Neste cantinho alentejano a 25 km de Beja, somos constantemente surpreendidos pela simpatia das pessoas, uma gastronomia sem igual, vinhos artesanais do melhor que há e com um tempo incrível daquele que nos convida a banhos na piscina.

Foram dois dias recheados de visitas, conversas e muitas partilhas com a companhia de outros colegas bloggers da ABVP como a Patrícia do Girl From Nowhere, o Marcelo e a Vera do Ir em Viagem, o João do The Portuguese Traveller, o Filipe do Alma de Viajante, o Rui do Born Freee, a Catarina do Wandering Life, o Diogo do Vadiagem Outdoors, a Filipa dos Contos Alfacinhas, a Ana do Viajar Porque Sim, a Raquel e o Tiago do 365 dias no Mundo, a Mónica do Passaporte no Bolso e a Mitó e o Vitor do Liked Places.

Além da vertente lúdica que este passeio nos veio proporcionar, a nossa passagem por Ferreira do Alentejo foi igualmente importante para reforçar laços entre associados e pensarmos sobre o futuro da associação. Chegamos mesmo a tempo de jantar para começar em grande com o fim-de-semana!

Pátio das Andorinhas

Foi no Pátio das Andorinhas que começávamos e terminávamos os nossos dias. Recebidos pelo Rui Colaço, proprietário deste espaço brutal e um dos embaixadores de Ferreira do Alentejo, que nos acolheu como se fossemos aqueles parentes que não se viam há uma eternidade.

De uma forma muito genuína e com uma disposição muito característica das gentes de Ferreira, fomos presenteados com um maravilhoso jantar recheado de petiscos e vinhos da região, ao mesmo tempo que eramos muitas vezes (e bem) interrompidos pelo grupo d’ Os Boinas que no fundo dos seus cantares alentejanos, ditavam o ambiente harmonioso e festivo deste convívio há muito esperado!

As manhãs era bem tranquilas ao ponto de termos os sons dos pássaros como predominância constante à medida que caminhávamos pelas ruas. Retornando ao pátio central do nosso alojamento, trocávamos os copos de vinho pelo café matinal ou as variedades de fruta que coloriam o nosso pequeno-almoço, juntamente com bolos típicos e a carcaça com manteiga e fiambre que nos enchia o estômago pela manhã que nos preparava para o que ainda estava para vir.

Herdade do Vale da Rosa

Se há coisa pela qual esta terra é uma referência em Portugal, é pela uva sem grainha. Este conceito à primeira vista é um pouco estranho e do ponto de vista ecológico pode deixar muito a desejar. No entanto, e se eu disser que todo este processo é completamente biológico? É verdade!

Na Herdade do Vale da Rosa, existe desde os anos 60, uma enorme dedicação ao processo deste fruto que hoje em dia tem uma produção que é 100% natural. Ficamos a conhecer a herdade através de uma visita guiada no seu tractor cor-de-rosa (Hi Barbie!) onde passamos a conhecer mais em detalhe como funciona todo o processo desde a plantação até à colheita.

Ali ao lado, passamos à Herdade do Pinheiro que é igualmente espectacular. Desde uma prova de vinagres à qual torci por completo o nariz (e na qual saí de lá deliciado) até uma degustação de produtos regionais na qual não podia faltar o vinho local, saímos de coração cheio pela forma super acolhedora com que fomos recebidos nas duas quintas.

Barragem de Odivelas

Após um almoço bem regadinho naquele que possivelmente é o melhor lugar para comer em Ferreira do Alentejo, o restaurante O Salgadinho, passamos à única sala de reuniões disponíveis no nosso alojamento para tratar de assuntos importantes, sala essa que por acaso tinha uma pequena piscina no meio.

Deixamos passar a tarde até à hora de jantar que nos levou até à Barragem de Odivelas. Esta que é uma das maiores barragens do Alentejo, localizada perto de uma aldeia com o mesmo nome, é um ponto importante de concentração de diferentes aves aquáticas. De igual modo, assim como tantos outros espaços idênticos nesta região, aqui pode-se praticar actividades aquáticas, desfrutar da praia fluvial ou ficar sentado no bar da barragem a contemplar o pôr-do-sol. Foi exactamente isso que fizemos, deixando-nos arrastar até à hora de jantar onde petiscamos até mais não conseguirmos mais!

Ferreira do Alentejo

Depois de uma noite bem dormida e de um pequeno-almoço reconfortante, é que finalmente tivemos um tempinho para conhecer esta vila pacata. Sempre na companhia do nosso amigo Rui Colaço, começamos no Pátio das Andorinhas por uma pequena explicação de como se produzia os vinhos artesanais que degustamos durante a nossa estadia antes de dar corda aos sapatos e lançarmo-nos a um autêntico “free walking tour” que nos ocupou a manhã inteira.

Foi só virar a esquina para entrarmos na Oficina Camas de Ferro onde ficamos a perceber o processo de criação destas mesmas camas, antes de chegarmos ao centro da vila. Aqui encontramos a Praça de Santa Maria Madalena e uma aquela que é a referência maior de Ferreira que é a Capela do Calvário.  

A partir destes pontos, é só escolher que caminho percorrer para ir ao encontro do que melhor se vê nesta terra. O nosso percurso seguiu até à loja “Talegos, Aventais e outros que tais” da simpática Lisete que nos recebeu com uns bolinhos típicos de feijão e um cravo feito de pano. Ali ao lado temos a Estátua de Ferreira onde ouvimos mais aprofundadamente sobre a lenda de Ferreira, a “Padeira de Aljubarrota” cá do sítio, e no fim desta rua temos o emblemático Ferrinho de engomar. Continuamos em direccção ao Museu Municipal de Ferreira do Alentejo para ouvirmos mais um pouco de história com as réplicas da Estátua de Ferreira e das estátuas que se encontram na Praça Comendador Infante Passanha para a qual nos dirigimos de seguida.

Um Marco da Nacional 2

No limite poente de Ferreira do Alentejo, temos a mítica estrada Nacional 2 que abraça esta vila. Para anunciar Ferreira como uma das referências na estrada nacional 2, existe um marco gigante que assinala o km 595 desta rodovia que liga Chaves a Faro num percurso que tem 739,26km.

A visita estava quase a terminar mas não sei antes entrarmos no Jardim Público onde fomos recebidos com a primeira prova de vinhos do dia. Para fechar com chave de Ouro, não podíamos deixar de visitar a Casa do Vinho do Cante, igualmente conhecida como Adega do Lelito, que nos levou a uma prova de azeite onde também não faltou, lá está, o vinho, naquele que é um espaço representativo que pretende preservar a típica taberna alentejana, o vinho de talha e o cante alentejano. Por fim, o nosso percurso levou-nos até à Igreja de Nossa Senhora da Conceição na qual tivemos direito a uma pequena actuação de cante alentejano.

Até já!

Mas isto não teria piada se nos fossemos embora com a barriga vazia… Nesse sentido, foi na cervejaria A Tapinha que tomamos a nossa última refeição antes de abalarmos de volta a casa.

Ferreira do Alentejo foi uma agradável surpresa, com culpas no cartório para o nosso companheiro Rui Colaço que nos proporcionou uma estadia melhor que podíamos imaginar. Se estiverem por estes lados, podem sempre contactar o Rui através do Pátio das Andorinhas que, se estiver disponível, terá a melhor das vontades em deixar-vos aquela sensação de querer voltar a esta terra (como deixou a todos nós). E para adicionar mais um bom motivo para visitar esta bonita terra, em Junho, podem apanhar o Festival Giacometti que durante uns dias anima a vila com momentos de música, arte, antropologia, cinema, dança e gastronomia que vai ao encontro das tradições da região. Certamente, será um até já a uma das mais bonitas regiões do nosso país!

GOSTASTE DESTE ARTIGO? PARTILHA NAS REDES SOCIAIS

PLANEIA A TUA VIAGEM

Aqui encontras as ferramentas necessárias para ti e ainda podes ajudar-me ao usar estes links 🙂

Para encontrares os melhores voos uso sempre o Skyscanner ou o Momondo.

Reserva já a tua estadia no Hostelworld mas se quiseres mais algum conforto podes ver outras opções no Booking.

Contrata o teu seguro de viagem. Ao optares pela IATI Seguros viajas mais descansado e ainda tens 5% de desconto se usares este link.

Queres viajar e não sabes para onde? Com a Chocolate Box podes arriscar ir num destino que só conheces 48 horas antes do dia da viagem e com o meu código NUMPOSTAL10 tens 10% de desconto!

Autor do projecto Num Postal, arquitecto de profissão, fotógrafo nas horas vagas e apaixonado por viagens. Criei o blog para que não me escape nada das minhas aventuras pelo mundo, para partilhar com os outros e para eu reviver cada uma destas experiências! Depois de viver uma temporada no Brasil, percebi que há todo um universo lá fora para descobrir e desde então nunca mais parei de ir à procura de lugares desconhecidos.

FAZ PARTE DESTE PROJECTO

Deixa um comentário e partilha as tuas dicas

POSTS RELACIONADOS

Estes são alguns dos artigos que também poderás gostar de ler